Apendicite

Sei, novamente, que muitos não vão ler esse post... mas acho que estou fazendo meu papel (mesmo com dor) como cidadã...
Para começar quero colocar um trecho da reportagem que li (depois de voltar do hospital) na revista Saúde:
Imagine-se comprando um carro zero. O vendedor oferece mais um acessório. Você, atento, pergunta a ele qual seria sua utilidade. “Serve para dar defeito”, responderia um lunático a fim de perder o emprego. Nenhum comprador em sã consciência levaria o veículo, mas, quando se trata da montagem do nosso corpo, não há escolha. A gente já sai de fábrica, por assim dizer, com um adicional que, em algum momento da vida, pode ser alvo de uma infecção capaz de provocar uma dor de lascar. Trata-se do apêndice. “E ele só serve para dar apendicite”, afi rma categórico o gastroenterologista Rogério Toledo Júnior, da Federação Brasileira de Gastroenterologia.

Na quinta feira pela manha, quando acordei para trabalhar não estava me sentindo bem... Meio enjoada, sem fome... mas... sei lá.. as vezes era cansaço de tanto malhar... fui para o trabalho... lá pelas 10 horas comecei a sentir uma dor na região do umbigo... nunca tinha sentido esse tipo de dor.. era como se fosse uma dor pequena.. “apertada”... uma dor de alguma coisa “se mexendo” (sim, um Alien dentro de mim)...
Na hora do almoço nenhuma fome.... comi “arrastada”... voltei do almoço e comecei com a Dani, minha assistente (eu já tinha ficado o dia todo reclamando para ela que estava com dor)... a pensar o que poderia ser essa dor.. que agora, tinha passado da região do umbigo para a lateral direita, na parte acima do osso da bacia...e começamos... será que é rim? Fígado, baço... será apendicite???
Fui ao Wikipédia e achei isso...
Os sintomas clássicos (que, como foi dito, ocorrem em uma minoria) são:
1 - Dor difusa contínua no abdome, junto do umbigo, movendo-se por vezes para o quadrante inferior direito (fossa ilíaca direita) após algumas horas (no ponto de MacBurney. Por vezes é muito moderada em intensidade.
2 - Sensibilidade ao toque no ventre, por vezes com alguma defesa dos músculos. (sinal de Blumberg)
3 - Náusea e vômito.
4 - Febre baixa.

Eu estava com todos os sintomas em negrito.... não querendo acreditar, mas morrendo de medo, mais ainda depois de ler...
Se não tratada, morrem 99,9% dos doentes.

Liguei para minha mãe, fui de carro buscá-la no trabalho (a cada lombada, buraco, ou desnível da rua eu gemia) e fomos para o hospital..
Dei entrada no Osvaldo Cruz as 14:00... o hospital é fantástico mas o Pronto atendimento é muito lento... Quando o médico me atendeu logo perguntou : “Você tem um cirurgião de confiança???” ele tinha certeza do que era... mesmo assim, me mandou para a observação, fazer exame de urina, sangue e ultra-som...
Meu exame de sangue deu alterado, 12.500 de leucócito e 319.000 de plaquetas, ou seja, sinal de infecção... no ultra-som o médico não conseguiu ver o meu apêndice... apenas achou um cisto no ovário (que terei que tratar tão logo volte a me locomover com facilidade para ir ao ginecologista...). Ligamos para a cardiologista da minha mãe que é do Sírio libanês, e ela indicou o Dr.Vincenzo como cirurgião.. ele é um amor, nos explicou tudo e disse que, por sua experiência, mesmo sem ver no ultra-som o apêndice que seria necessário operar que a tomografia também poderia ser inconclusiva e, como eu teria que tomar contraste, perderia o jejum que eu já estava e teria que operar apenas no dia seguinte...
21:00 estava tomando minha anestesia geral (primeira da minha vida)... acordei apenas no pós operatório uivando de dor (isso porquê eu havia tomado morfina)... o final das contas, estou com um corte de 10 cm na minha barriga, tenho dificuldades para sentar, levantar, deitar ou seja, pra tudo, mas estou viva...
O laudo do apêndice foi:
Exame macroscópico:
O espécime, previamente fixado em formol salino a 10%, consta de?
1 – Apêndice cecal que mede 8,5 cm de comprimento e 1,0 cm de diâmetro máximo. Exibe serosa opaca. Aos cortes, a luz é virtual. A parede está preservada.
Exame microscópico:
O exame histológico revela:
1 – Cortes de apêndice cecal exibindo extensas áreas de ulceração da mucosa, sobretudo na região da ponta. Nesta área a luz está preenchida por tampão fibrino-purulento. A parede está dissociada por tecido de granulação e infiltrado inflamatório misto, que se estende até a serosa, onde há deposição de tampão fibrino- purulento. Nas regiões mais próximas a mucosa está integra e exibe acentuada hiperplasia folicular linfóide.
Conclusão:
1 – Apendicite aguda ulcerada. Peri-apendicite aguda fibrino-purulenta.

Bom, depois que o ser foi retirado meu exame de sangue foi, depois de dois dias para 9.300 de leucócitos e 271.000 de plaquetas...
Bom, hoje fui ao médico, tirei o curativo.. meu corte tem uns 10 cm... semana que vem tiro os pontos e voltar a trabalhar??? Só daqui a um mês...
Agora, momento relax... as fotinhos no hospital... (Que agora está na hora de tomar meu anti-biótico..)


Mega band-aid... fala sério.. gigante... a parte sem cola pegava todos os pontos...(olha o tamnho do meu dedo perto dele...)


remédios e injeções...


Drugs... who need drugs??? Árvore de remédios "na veia"!!!


Estampa da minha camisola de hospital

Em casa

Bom, estou de volta em casa... operada de uma apendicite aguda... :(
Depressão é a melhor palavra para me descrever... meu... quando eu estou colocando minha vida nos eixos SEMPRE vem alguma coisa e me ferra... pra piorar um calor dos diabos em sp...
Depois eu volto, quando tiver mais forças emocionais e abdominais...