Chez le médecin – ida ao médico

meu, sério... para tudo que eu preciso contar... hj fui no médico, aqui em montréal!
Tirando que estou $300 DOLARES mais pobre... calma... vou contar por partes...
Desde NY estou com um problema na pele que só vai piorando.... não sei como isso foi aparecer, de onde veio... só sei que eu estava ÓTIMA no Brasil....

Anyway... o lance foi piorando... piorando.. até chegar ao ponto de não conseguir dormir a noite... falei com minha mãe no Brasil, ela falou com a médica que passou um remédio e uma pomada...

Ai a bonitona aqui foi na farmácia... chegando lá era só com receita.... tentei pelo menos o creme... e nada.... a farmaceutica foi categorica e disse “se quier tem um médico aqui no prédio, vai lá falar com ele”... ai chamei uma atendente de canto e falei “amiga, eu estou ferrada, sou de outro país, não tenho grana pra pagar num médico só pra olhar pra minha cara e desenhar num papel, não rola meeeeeeeesmo sem receita?” (ah, isso tudo em francês, o que o desespero não faz com as pessoas...) e a mulher me responde... “ te entendo, mas aqui no Jean Coutu vc não vai conseguir mesmo.... tenta achar uma farmácia em que o farmaceutico seja o dono.. ai ele pode te ajudar”...

Meu, sério... não faço nem idéia onde achar uma outra farmácia....

Ai comprei um creme genérico, dos que tem mil e uma utilidades... mas é claro que não refrescou....
Tentei passar talco de bebê e nada...

Ai hj, domingo, resolvi ir no médico... pq eu tô ficando louca de tanta vontade de coçar a parada... e tá aumentando de tamanho, espalhando pra outros lugares...
Ai, lembrei de um milhão de posts que eu li sobre como vc passa 6 horas no hospital aqui.. esperando a morte chegar antes de ser atendido...
Fui numa clinica que estava no papelzinho que eu recebi da faculdade e que fica dentro do metro... chama Westmount Square Medical Center

Ok, chegei lá, paguei 150 doletas pela consulta (mas eu tenho um seguro da universidade, vamos ver como vai ser o reembolso)... cheguei as 2 da tarde... dormi na cadeira de tanto esperar.... só tinha UM médico...

Ai, lá pela 4 a mulher me chama... “tatiana”
“Oui”
“Are u still here?”

Como assim, se eu ainda estava ali? Eu não aguentei de tanta raiva.... sério.... eu não resisti e falei “claro, eu não ia pagar 150 dolares e sair andando sem ser atendida”...
Ok, as 5 horas fui atendida... ou seja, 3 horas depois... metade do tempo de um hospital, mas mesmo assim o dobro do que eu demoraria no brasil se eu fosse num hospital particular (que era o caso) e pagasse...

O médico me atendeu em menos de 10 minutos... queria só passar umas pomadas... eu implorei pra ele me dar alguma coisa pra tomar... q eu não ia conseguir ficar mais 15 dias ferrada... que eu tava pensando em voltar pro Brasil e cancelar todas as minhas féria por causa disso (mentira, mas tive que apelar)... ele acabou aceitando e me deu o remédio...
Ai eu pedi um laudo... gato escaldado tem medo de água fria, eu lá sei o que a merda do seguro vai pedir... ai a bruaca da recepção, quando o médico foi lá todo gentil preencher o papel, me fala “ah, mas onde está o seu formulário de ressarcimento?”
Meu, alguém avisa pra bruxa que eu só tenho uma porcaria de um pedaço de papel que diz que eu tenho a porcaria do seguro....

Claro que foi o que eu disse... ai o médico mandou ela tirar uma copia do prontuário e escreveu o laudo...
BTW.... que papel vagabundo o da receita do médico... não tem um carimbo, é feito numa impressora qq... sério... que raiva.... não ter nem carimbo é de matar...

Ah, antes que eu esqueça... última parte da revolta...

Chega uma mãe desesperada com o filho, pq ele não tá falando, não tá querendo comer, não tá engolindo.... eram 4:00.... sabe o que a bruxa da recepção disse? “estamos fechados, da próxima vez vc tem que chegar antes das 3”
Meu, oq??? Pq na merda do site fala 5 horas???? Então tinha que falar que novos pacientes até as 3 e atendimento para os mesmos até as 5... mas não... não fala nada...

Ai, ainda bem que a mulher falou um monte, se não ia eu lá defender a canadense... disse que não ia ficar 6 horas no hospital (o número é sempre 6, impressionante)... que não tinha isso no site, que não tinha como prever a hora que o filho ia ficar doente... ai ela consegui ser atendida...

Bom, depois de tudo isso fui no Jean Coutu (farmácia) comprar os remédios... lá tb o seguro é só com reembolso, tive que pagar e estou resando pra receber o dinheiro de volta.... eles ficam com a receita e te dão uns papeis comprovando o que vc pagou, com as infos do médico e tal pra vc dar entrada no seguro.... a brincadeira saiu outros 150 dolares

Bom, é isso... como eu tava falando com a canadense lá (a mãe do bebê, puxamos papo) ela me disse “todo lugar é a mesma coisa, tem coisas boas e ruins... mas o choque cultural é o problema” e eu complementei “ se vc chega por cima, tipo transferido pela empresa, com emprego e tal é ótimo... mas passar por tudo isso e ainda não valer nada pra sociedade, não obrigada”.

Essas coisas me mostram que eu viveria FACILMENTE fora do Brasil SIM.... sou uma pessoa extremamente adaptavel MAS, esses 2 meses de CANADÁ me mostraram que as vantagens que eu terei aqui ainda não são suficiente para equilibrar todas as desvantagens (ISSO É PARA MIM, TATIANA.... TENHO CERTEZA QUE PRA OUTRAS PESSOAS AS VANTAGENS SÃO BEM MAIORES)...

Como eu disse no meu outro post, no Brasil eu sou top, falo 3 línguas além do português, sou engenheira, tenho 5 anos de experiência... no Canadá, por mais que as línguas sejam um ponto forte eu não teria meu diploma, minha experiencia não contaria... teria que mudar de área no começo e isso não é uma coisa que eu queria fazer... somando-se a não ter carro logo de cara, ter que carregar TUDO no lombo... compras do supermercado etc etc, sistema de saúde, mesmo pago, que é um lixo (no Brasil eu pago mas é bom – em SÃO PAULO, não sei nos outros lugares), comida aqui é uma FORTUNA!!!! E por ai vai....

MAS, volto a dizer... moraria aqui numa boa se viesse com um cargo legal, recebendo bem e com uma empresa para me respaldar... ai seriam outros quinhentos...

Bom, é isso... tenho que terminar a minha apresentação oral final do curso de francês...

Beijos